Estádio

GDF vende Brasília para pagar Estádio e fugir da fiscalização do BNDES

Governo do DF vende área igual a 31 campos de futebol para pagar conta do estádio da Copa-2014 em Brasília

 Ueslei Marcelino/ReutersPara Agnelo Queiroz, governador do DF, custo do estádio de Brasília, de R$ 1,5 bi, 'é o mais barato do Brasil'

  • Para Agnelo Queiroz, governador do DF, custo do estádio de Brasília, de R$ 1,5 bi, ‘é o mais barato do Brasil’

Para pagar a conta da construção do Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília, o governo do Distrito Federal está usando recursos da venda de terrenos públicos por todo o DF.Orçado até agora em R$ 1,5 bilhão, o estádio consome recursos da venda (através de licitações) de áreas que, somadas, possuem tamanho maior que o de 31 campos de futebol, considerando o tamanho oficial mínimo recomendado pela Fifa para partidas internacionais, que é de 100 metros de comprimento por 75 metros de largura.

Na prática, o governo do DF está trocando terras públicas pelo estádio, já que 100% da obra é financiada com recursos da Terracap, empresa estatal responsável pela administração e venda dos terrenos de propriedade do governo. Até 31 de dezembro de 2012, a Terracap havia repassado R$ 750 milhões para pagar a construção do estádio, de acordo com o governo do DF. Logo, ainda falta pagar outros R$ 750 milhões, metade da obra.

O estádio de Brasília receberá a abertura da Copa das Confederações, uma partida entre Brasil e Japão, no dia 15 de junho deste ano.

VEJA TAMBÉM

Conta simples

De acordo com o índice Fipe (Fundação Insituto de Pesquisas Econômicas), divulgado no final de janeiro deste ano, o preço médio do metro quadrado em Brasília, um dos mais caros do Brasil, é de R$ 6.372. Assim o governo do DF tem que vender, na média, 235.405 metros quadrados de terras públicas para quitar o R$ 1,5 bilhão que a obra do estádio vai custar no total, isso se não houver novos reajustes no preço como tem ocorrido desde julho de 2010, quando a obra começou.

OBRAS DA COPA200 FOTOS

1 / 200

Ampliar

Material que será utilizado na cobertura do Mineirão chega ao canteiro do estádio (2/5/2012) Sylvio Coutinho/Divulgação

A Terracap afirma que realiza cerca de uma licitação por mês de terras públicas no territtório do Distrito Federal, independentemente da construção do estádio.

TC-DF SUSPENDE LICITAÇÃO DE R$ 305 MI PARA ENTORNOS DO ESTÁDIO MANÉ GARRINCHA

  • Divulgação/Distrito Federal

Na primeira licitação de 2013, em janeiro, a empresa se desfez de 138 lotes de imóveis, de tamanhos e localizações diversas, arrecadando R$ 41 milhões. O resultado da licitação ainda precisa ser confirmado. Para o dia 28 de fevereiro, está prevista licitação de outro lote, desta vez com 104 terrenos.

Sem financiamento

O governo do Distrito Federal recusou ofinanciamento de R$ 400 milhões ou 75% do valor da obra oferecido pelo BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) para a construção de todos os 12 estádios da Copa de 2014. É o único gestor dentre os construtores das arenas da Copa que abriu mão do dinheiro.

As condições da linha Pró-Copa Arenas, do BNDES, são bem melhores que as de mercado. Primeiro, não há necessidade de garantia para entes públicos. Além disso, a soma de juros, correção e taxas cobradas pelo BNDES ficam em torno de 7% ao ano. Não há nada igual no mercado.

Em contrapartida, porém, o banco exerce, por força de contrato, um papel de fiscalização e controle da obra. Quem assina o contrato com o BNDES tem os recursos liberados aos poucos. É preciso, por exemplo, a cada três meses, apresentar um relatório de progresso físico-financeiro da obra.

Além disso, semestralmente, o contratante deve apresentar um relatório de acompanhamento da execução físico-financeira feito por uma auditoria independente. Depois, ao término da obra, o tomador do empréstimo tem três meses para apresentar um relatório final, também feito por uma auditoria. Sem pegar o dinheiroemprestado, o governo do DF não é submetido a todo este controle durante a construção da arena.

‘Mais barato do Brasil’

Apesar do Estádio Mané Garrincha ser, até agora, o estádio mais caro dentre os 12 em construção ou reforma para a Copa de 2014, na opinião do governor do DF, Agnelo Queiroz, “é o mais barato do Brasil se for medido metro quadrado a metro quadrado de construção”. O governador deu a declaração no dia 28 de janeiro, a 500 dias para o início da Copa de 2014. Queiroz não explicou como havia chegado a essa conclusão.

De acordo com nota da assessoria de imprensa do governo do DF enviada ao UOL Esporte, a construção do estádio ficará em torno de R$ 1 bilhão. Apesar disso, o Tribunal de Contas do Distrito Federal diz que a obra, orçada inicialmente em R$ 671 milhões, já chegou ao R$ 1,2 bilhão. Quando incluídos os gastos com paisagismo e urbanização dos entornos do estádio, a conta está em 1,5 bilhão.

Relatório do tribunal divulgado no final de janeiro identificou superfaturamento e pagamentos em duplicidade na obra no valor de cerca de R$ 112 milhões e caso não haja explicações convincentes, pede a devolução do dinheiro aos cofres públicos do DF.

UOL, em São Paulo

5 pensamentos sobre “GDF vende Brasília para pagar Estádio e fugir da fiscalização do BNDES

  1. O estádio não custará R$ 1,5 bilhão. Matérias que divulgam esse valor cometem um grande equívoco ao considerar os R$ 360 milhões que se referem à revitalização da área central de Brasília e envolvem um conjunto de 10 obras de infraestrutura, como custo da obra do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha.

    Veja a íntegra da nota do Governo do Distrito Federal (GDF) com todas as explicações sobre o caso: http://gdf.me/2pf

    • As notícias faz pelo menos um ano apontam que é o Estádio mais caro do Brasil. Mas o simples fato de ter 70 mil lugares já seria o suficiente para uma matéria como essa. Ter rejeitado o financiamento e a fiscalização do BNDES só agrava mais as coisas. Enfim, o valor da obra em si não é o centro da discussão. A questão maior é de POSTURA do governo do DF. UMA VERGONHA!

    • O GDF é uma corja de politicos bandidos aventueiros. Um bando de forasteiros de outros estados e este governador não é nada mais além de um deles. É o preço que Brasília paga por ser ainda uma nova cidade construida praticamente em um dia. Paulo Otávio por exemplo não é brasiliense e se dependesse dele com a sua construtora, Brasília ja seria uma São Paulo. Como ele, existem centenas de políticos e empresários e laranjas de empresários na política esperando apenas a menor oportunidade para lucrar levianemente e pouco se importando com a terra, com a cidade. Agnelo é uma vergonha e assim tambem foi Roriz e infelizmente haverão muitos outros. O GDF favorece a favelização do DF o que abre as portas para as empreiteras. O repetido embargo ao editaL do VLT, o que só beneficiou as empresas de ônibus foram provocados pelo GDF justamente com este propósito. GDF, acorda! Tem muita gente de olho.

      • Leonardo, infelizmente os exemplos negativos predominam na política mas há pessoas de boa índole nas quais vale a pena acreditar e que merecem nosso apoio. Brasília sofre muito com o assédio do mercado imobiliário e precisamos de um governo idôneo e disposto a ir contra esses interesses priorizando a proteção de nosso Patrimônio Mundial. Temos que trabalhar para alcançar isso o mais rápido possível.Grande abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s