Licitação do Transporte

NOS BASTIDORES DO (PROBLEMÁTICO) METRÔ DO DF

O CAOS DA MANUTENÇÃO NO METRÔ-DF

(Matéria publicada no Blog Quid Novi e reproduzida no Blog Ambiente e Transporte)

O CAOS DA MANUTENÇÃO NO METRÔ-DF

As crises da manutenção do Metrô-DF estão mostrando a ponta do iceberg da terceirização da manutenção do metrô de Brasília. Em 8 de março, o trem 23 sofreu uma pane no sistema de tração, segundo a assessoria do Metrô-DF. Os eternos porta-vozes da operação e da manutenção do Metrô-DF, José Soares de Paiva e Fernando Sollero foram rápidos em afirmar que foi uma pane rápida e que os passageiros quebraram as portas e janelas desnecessariamente, pois “o trem paralisado já iria chegar à estação”. Resta saber dos passageiros espremidos dentro dos trens por 20 minutos o que eles achavam…

A questão de fundo é que o metrô de Brasília é um dos poucos metrôs brasileiros que terceirizou sua manutenção. E isso se dá por um contrato milionário que é arbitrado pelo governador Agnelo Queirós e pelo vice-governador Tadeu Filippelli. Somente em 2011 o metrô gastou mais de 111 R$ milhões na manutenção dos apenas 32 trens que possui. E dentro de alguns dias será publicado o balanço anual do Metrô, mostrando um gasto com a manutenção ainda superior.

Se formos comparar com o Metrô-Rio, que tem mais de 100 trens, que transporta mais de 650 mil passageiros/dia e que gastou pouco mais de R$ 31 milhões, a diferença é de quase 250% a mais contra o metrô do DF. Para comparar, o metrô do DF transporta apenas 140 mil passageiros / dia e não tem integração metrô-ônibus.

Se levar em consideração que o Metrô-DF avaliou seus 32 trens em R$ 79,6 milhões, significa que cada trem está avaliado em menos de R$ 2,5 milhões. Entretanto, cada trem custou mais de R$ 3,4 milhões em manutenção no mesmo período. É como um Pálio ou Gol usado custar R$ 10 mil reais e o dono gastar R$ 13,6 mil em peças, fora a gasolina!

O QUE ESTÁ POR TRÁS?

Em 1998, um contrato temporário assinado pelo então governador do DF pelo PT, Cristovam Buarque, estabelecia um gasto estimado de R$ 29 milhões para que o Metrô-DF funcionasse provisoriamente com manutenção terceirizada.

Era véspera das eleições de 1998 e o Governo do Distrito Federal (GDF) havia perdido muito tempo e dinheiro para concluir o metrô. Ao tomar posse, em 1995, Cristovam paralisou as obras que tinham consumido todos os R$ 690 milhões de seu custo inicial e ainda estavam com quase 40% incompletos.

O antigo secretário de obras do DF, José Roberto Arruda havia torrado todo o orçamento, sido eleito senador e deixado o DF repleto de buracos, obras paralisadas, canteiros abandonados e um estouro nos custos previstos.

Somente em 1997 as obras foram retomadas e começou-se a chamar os aprovados do concurso de 1994.  Houve um grande número de desistências, pois os salários estavam defasados. Vários aprovados no concurso do Metrô-DF haviam sido aprovados em outros concursos melhores e nem tomaram posse.

Pressionado pelas eleições, Cristovam e sua equipe de marketing decidiram colocar em funcionamento o metrô de maneira precária, através de terceirização da manutenção, até que contratassem todos os 1.600 empregados necessários e comprassem todos os equipamentos de manutenção, estimados na época em R$ 400 milhões. Era importante fazer parecer ao eleitorado que o PT tinha resolvido o problema do Metrô.

Só que a maioria do eleitorado não gostou do governo Cristovam e trouxe de volta Joaquim Roriz, que nomeou como seu secretário de obras Nelson Tadeu Filippelli. Filippelli era casado com uma sobrinha da primeira-dama dona Weslian Roriz e era considerado como “da família”.

Só que ao invés de comprar os equipamentos necessários para a manutenção do metrô e chamar os concursados, Filippelli mandou manter a terceirização da manutenção. Com isso, o Metrô-DF já gastou mais de R$ 1,2 bilhão desde 1998 em manutenção. Daria para comprar três vezes o equipamento de manutenção necessário para o Metrô-DF executar a própria manutenção.

Quando José Roberto Arruda foi eleito governador, a aliança entre Arruda e Felippelli passou pelo Metrô e pela Terracap.

Quando Agnelo foi eleito governador, o cargo de vice-governador de Nelson Tadeu Filippelli ficou responsável por todas as obras e pelo transporte, especialmente o Metrô-DF. Surpreendentemente, a terceirização da manutenção foi mantida, os gastos anuais superam os R$ 110 milhões e os trens agora pegam fogo e param carregados de passageiros.

E ainda há sempre os eternos José Soares de Paiva e Fernando Sollero, que corroboram a terceirização da manutenção, para irem à TV, às rádios e aos jornais e afirmarem que não há nada de errado com metrô do Distrito Federal.

Balanço Anual do Metrô-DF, 2012, ano base 2011:

Custo da Manutenção:

 
 Valor dos Trens:
 

Links para maiores informações:

DFTV: manutenção do Metrô-DF é 250% mais cara que Metrô-Rio, que transporta 4 vezes mais passageiros: http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2012/09/custo-de-manutencao-do-metro-do-df-e-250-maior-do-que-o-do-rio.html

DFTV: Trem do Metrô-DF pega fogo em Samambaia: http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2012/09/video-mostra-explosoes-e-incendio-em-vagoes-do-metro-do-df.html

DFTV: Trem do Metrô de Brasília sobre pane e passageiros quebram portas e janelas para escapar: http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2013/03/metro-df-para-de-circular-e-usuarios-ficam-meia-hora-presos-em-vagao.html

Um pensamento sobre “NOS BASTIDORES DO (PROBLEMÁTICO) METRÔ DO DF

  1. Pingback: NOS BASTIDORES DO (PROBLEMÁTICO) METRÔ DO DF » Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Metroviários do Distrito Federal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s